09 junho 2007

Canto à Mãe da Poeta Virgínia Andrade.



Pintura de autoria da poeta Virgínia Andrade, uma alusão à maternidade, sem título, datada de abril de 1978.
Reprodução fotográfica por Waldir Pedrosa de cópia do original, gentilmente oferecido por Dra. Sônia Andrade.






para Sônia Andrade








Quando a dor pode travestir-se em canto,
descortinar falésias,
aninhar-se em vales,
enaltecer os píncaros.

Não mais é dor somente.
Não é mais somente.
Não é só,
nem dor.

Transcendeu o mais que dor.
É intenso amor que cheira,
apalpa, advinha.
Tornou-se enlevo - sabedoria - compaixão.

Desembrulha o que é do sol.


A existência humana
transpôs a realidade imediata.

Enquanto o somente dor,
duvida e se esmaece.
O somente amor,
acata e recria o infindável.

Waldir Pedrosa Amorim João Pessoa, sábado, 9 de junho de 2007