02 dezembro 2010

RIO DE JANEIRO

RIO DE JANEIRO

 


Rio de Janeiro,
“cidade maravilhosa”,
a vida trepada em favelas,
córregos,
becos e vielas
que admoestam o futuro.
A vida trepada em prédios suntuosos,
guarnecida de antídotos contra a miséria.
A vida vulnerável, confinada em comuns habitáculos
da classe média que sobe a ladeira.
A vida que comete cotidianos pelos trilhos, pelas areias, pelos bares, pelas ruas, pelos altos e baixios. A vida sem as isonomias do pão, da educação, da moradia,
do lazer, da segurança, do trabalho, da esperança.
A vida em perigo
e com fome
de fraternidade.
A enlameada vida
dos poderes podres,
que infectam há séculos
a maravilha mais querida
de cariocas e brasileiros. 
A cidade desejosa de ações grandes.

Poema publicado em 2003 no livro Amor que sai do Casulo