18 outubro 2011

VIVÊNCIAS DESPEDAÇADAS

 

Vivências

intensas

despedaçadas

excessivas em

cotidiano

evocam-me carência

de interioridade, retiro, reclusão.

Exaurido emudeço.

Reflexivo,

torno-me palavra

e o sonho que a antecede.

 

Waldir Pedrosa Amorim

16 outubro 2011

PERSIGNO

 
Não são teus olhos
mel, amêndoas sedutoras.
Teu corpo
que veste.
Teu sexo
que sotranca.
São as fímbrias
da convivência
atando esmeros.


Waldir Pedrosa Amorim









27 março 2011

Amor competitivo




Acostumamo-nos com a idéia
de que fosse a similitude
a medida do amor.
Ora! Amor não é eco
nem arremedo
tampouco medo de incompletude.
Amor é desastre
é ferrugem
é sobressalto
é o inesperado eivado de prazer.
Amor faz doer porque se cruza;
já a competição, anda paralela
e, junto a ela,
o ombro que se mede por objetivos.
Ah! O amor é quase somente subjetivos.
Não há linhas de chegada e de partida.
Assim o amor que não concorre
que permite vazios serem vazios
cheios, estarem plenos
e emergirem complementos
que viram laços
responsáveis
pelo codelinquente,
cúmplice amor
não mensurável.


Waldir Pedrosa Amorim quarta-feira, 23 de março de 2011